Três Megatendências para ficar de olho em 2022

Os últimos doze meses foram mais um ano particularmente difícil para os negócios no mundo todo, e não menos no setor do varejo. A positividade por trás da esperança da vacinação global em 2021 gradualmente deu lugar à percepção coletiva de que a pandemia está muito longe de acabar. Isso foi substituído, na mídia e no debate público pelos desafios que as cadeias de suprimentos vêm enfrentando em termos de pessoal, fornecedores e transporte de produtos.

Ao vislumbrarmos o ano de 2022, é bom pontuar que muito poucos especialistas poderiam ter previsto os acontecimentos dos últimos dois anos, e menos ainda querendo opinar sobre o que o resto desta década nos trará da perspectiva do varejo e cadeia de suprimentos.

Acreditamos que, embora possa ser um pouco confuso fazer previsões tecnológicas específicas, acreditamos que é possível identificar algumas "megatendências" importantes que inevitavelmente incorporarão áreas mais específicas de tecnologia ao longo do caminho.

AGILIDADE & PREVISIBILIDADE

Com a crise nas cadeias de suprimentos dos últimos seis meses afetando o planejamento da alta temporada, além dos desafios contínuos da pandemia e uma aceleração das mudanças nas expectativas dos consumidores, a agilidade em todos os níveis de uma organização é fundamental.

A capacidade para superar esses tipos de desafios requer a agilidade e a escalabilidade proporcionadas por tecnologias como a nuvem e microsserviços. Questões sobre a arquitetura dos softwares de uma organização não são somente questões do CIO ou da área de TI - elas são agora prioritárias para COOs e CEOs também.

Embora prever a mudança do cenário dos consumidores e do setor tenha se tornado mais desafiador para as marcas, manipular variáveis ​​além dos simples efeitos da pandemia e tentar modelar e mapear cenários se tornou ainda mais importante.

Felizmente, com a crescente digitalização da cadeia de suprimentos, isso significa que cada vez mais dados estão sendo produzidos e isso é ótimo para as ferramentas preditivas, como gêmeos digitais – espere mais ênfase nesses tipos de ferramentas de modelagem preventiva alimentadas por dados em 2022.

EXPERIÊNCIA DO CLIENTE

Muitos especialistas previram há muito tempo a eventual morte de lojas de rua e lojas físicas nos shoppings, no entanto, a notícia de que a Amazon planeja abrir lojas de departamento na América do Norte dá a muitos varejistas (grandes e pequenos) esperanças para o futuro.

A notícia foi bem-vinda para os modelos tradicionais de negócios de lojas físicas, mas também levanta uma série de questões prementes para os varejistas, muitos dos quais enfrentaram os desafios da pandemia e lodo em seguida se viram confrontados com uma nova tempestade não menos transformadora no horizonte.  

Estabelecer a infraestrutura tecnológica certa, incluindo tudo, desde sistemas omnicanais e modernos sistemas de ponto de venda conectados, até soluções de gestão de pedidos e armazém, dará às marcas a flexibilidade, agilidade e escalabilidade de que precisam para enfrentar esta disrupção que está a caminho.  

Para sobreviver a esta próxima fase da evolução da Amazon, os varejistas devem preparar seus sistemas e processos para um novo mercado que será dominado por marcas capazes de oferecer experiências de compras personalizadas e integradas em canais físicos e digitais.

Aderir aos modelos tradicionais já levou ao desaparecimento de muitos grandes varejistas nas últimas duas décadas, então é muito necessário se adaptar e priorizar as expectativas dos clientes agora. Vemos em 2022 uma oportunidade para todos os varejistas (grandes e pequenos) dobrarem suas apostas na omnicanalidade.   

Junto a uma ênfase renovada na omnicanalidade, também esperamos que a tendência de aproximar a cadeia de suprimentos e os produtos do consumidor ganhe um ritmo bastante forte em 2022.

Os benefícios dos centros de microatendimento e das “dark stores” (atendimento mais rápido ao cliente, menos quilômetros percorridos pelas frotas de entrega, redução das emissões de CO2, processos de devolução mais rápidos e eficientes, etc.) foram amplamente comprovados nos últimos 12 meses. À medida que a cadeia de suprimentos se aproxima dos consumidores, espera-se que as experiências desses consumidores melhorem.

EMPODERAMENTO DOS COLABORADORES

Sejam separadores, no armazém, ou motoristas, nas estradas, a crise atual causada pela falta de colaboradores da cadeia de suprimentos é clara e nítida.

Embora a concessão de bônus e o aumento dos salários sejam certamente bem-vindos (e muitos diriam que já era sem tempo), a crise de pessoal que estamos testemunhando no momento não é algo que possa ser corrigido apenas com dinheiro.

A pandemia aumentou o foco no bem-estar dos colaboradores e esperamos que seja um valor crescente no próximo ano.

Fornecer aos trabalhadores do varejo e cadeia de suprimentos a tecnologia mais intuitiva e simples de ser utlizada não é mais uma opção, mas uma necessidade. Além disso, engajar e empoderar os colaboradores é mais importante que nunca.

Em um momento no qual varejistas e suas cadeias de suprimentos estão em crise, construir lealdade, empoderar colaboradores (nas lojas, armazéns ou nos caminhões), mantê-los em segurança e aumentar a eficiência operacional serão absolutamente cruciais em 2022 e além.
 

Cumpra sua promessa aos clientes