Artigo

Visibilidade do TMS: veja. Observe. Em seguida, aja.

Por Adrian Gonzalez,
TMS Visibility: See. Observe. Then Do.

Todos nós já ouvimos a expressão “ver para crer”, ou seja, para aceitar que algo de fato existe ou acontece, é preciso vê-lo.

Talvez você também conheça a frase famosa de W. Edwards Deming: “Em Deus confiamos; todos os outros devem apresentar dados”.

Essas duas frases têm muito a ver com a visibilidade da supply chain, principalmente no que se refere à gestão de transporte. Intuitivamente, muitas empresas sabem que têm várias oportunidades de reduzir custos, melhorar os níveis de serviço e aumentar a produtividade. Entretanto, sem ver o processo inteiro, de ponta a ponta, e sem dados para comprovar, não conseguem aproveitar essas oportunidades de forma eficaz.

No entanto, avanços tecnológicos recentes estão ajudando as empresas a ver as operações de transporte com mais clareza. Vários fornecedores de soluções de visibilidade do frete em tempo real estão utilizando GPS, interfaces de programação de aplicativos, dispositivos móveis, computação em nuvem e outras tecnologias para rastrear pedidos, envios e caminhões em trânsito. Com os dados e a visibilidade em tempo real, as empresas podem responder às perguntas mais comuns dos clientes com rapidez e precisão: Onde está o meu pedido? Onde o meu envio está? Quando vai chegar?

Melhor ainda: as empresas podem usar esses dados, combinados com algoritmos e aprendizagem de máquina, para dar aos clientes previsões dos tempos estimados de chegada (ETAs) e informá-los proativamente sobre quaisquer mudanças ou atrasos.

No entanto, a visibilidade, isoladamente, não basta. Sim, é preciso ver para crer, e ter acesso a dados que antes você não tinha pode ser algo poderoso — mas só será se você fizer algo com esses dados. É aí que entra o sistema de gestão de transporte.

Ver vs. observar

Ver não é o mesmo que observar.

“A verdadeira aprendizagem vem da observação”, escreveu Forrest Hangen em uma postagem no Medium. “Quando observamos, vemos em um nível mais profundo. Ver é o processo físico; observar é ver + os nossos pensamentos. Quando observamos, fazemos conexões em nossa mente e desenvolvemos uma compreensão mais profunda.”

Um TMS possibilita a observação — ou, para usar um termo mais comum, a análise. O sistema reúne os dados das soluções de visibilidade do frete em tempo real, combina-os a outros dados relevantes (do ERP, WMS, OMS, POS, etc.) e, aplicando business intelligence e análise a eles, oferece aos usuários uma compreensão mais profunda daquilo que está acontecendo nas redes de transporte e de distribuição. Também os ajuda a identificar onde estão os maiores problemas e as maiores oportunidades de melhoria.

“Há certas ineficiências na supply chain que podem ser atribuídas diretamente à falta de visibilidade”, explicou Gregg Lanyard, diretor de gestão de produtos da Manhattan Associates. “Um TMS coloca grandes quantidades de dados de frete em tempo real dentro de um contexto, criando insights que levam a uma inteligência maior e a reduções do custo, do risco e das falhas no serviço”.

Os usuários podem observar, por exemplo, que os envios que se originam do centro de distribuição de Chicago apresentam atraso na saída em 15% do tempo. Isso acontece por que a transportadora chega atrasada? Acontece porque a carga não está pronta quando a transportadora chega? A causa raiz realmente é um problema de horário e da capacidade do pessoal no centro de distribuição?

Os usuários podem observar que os tempos de trânsito de um centro de distribuição para o local do cliente variam de acordo com o dia da semana ou que incorrem mais em encargos de permanência se o envio chega ao local do cliente à tarde (e não de manhã) ou quando uma determinada transportadora faz a entrega.

As empresas desejam visibilidade não só para ver e observar, mas também para agir de acordo com os dados e insights coletados. Em última análise, é o agir — as ações realizadas para melhorar as operações de transporte e logística — que gera valor.

A ação gera valor

A especialidade do TMS é a ação. O sistema conta com mecanismos de otimização, business intelligence e análise, fluxos de trabalho automatizados que englobam outros parceiros comerciais e aplicações (como o WMS e OMS) e recursos de gestão de exceções (entre outros).

A combinação de dados de visibilidade em tempo real com um TMS gera valor de várias formas, tais como:
  • Possibilitando a ação proativa — as empresas podem reprogramar, mudar a sequência ou alterar a rota de coletas ou entregas e informar proativamente os clientes sobre atrasos e atualizações de ETAs, para que tenham tempo de reajustar planos e realocar recursos.
  • Possibilitando a "gestão por exceção” — as empresas podem focar tempo e recursos naquilo que não está ocorrendo de acordo com o plano, para resolver o problema ou minimizar o seu impacto proativamente.
  • Possibilitando processos mais rápidos de Procure-to-Pay (da compra ao pagamento) e Order-to-Cash (do pedido à entrega) — por exemplo, as empresas podem usar uma comprovação de entrega eletrônica (ePOD) e geofencing para iniciar o processo de faturação e pagamento.
  • Possibilitando uma correspondência de capacidades mais inteligente — integrando a um TMS e aplicando algoritmos preditivos e de correspondência de frete combinados a regras de negócios, os agentes comerciais e expedidores podem estabelecer a correspondência entre as cargas disponíveis e a capacidade com muito mais antecedência e eficiência.

Como o transporte não é algo isolado e está relacionado a vários outros aspectos, o valor também se estende a outros processos — como melhoria do planejamento e aproveitamento da mão de obra no armazém, a capacidade de alocar pedidos ao estoque em movimento e a eliminação do desperdício e de ineficiências no agendamento das docas e dos processos de gestão de pátio.

“As empresas precisam considerar a visibilidade somo algo holístico, já que o impacto do aumento da visibilidade vai muito além do transporte”, explicou Lanyard. “A melhoria do fluxo de mercadorias dentro do armazém começa com decisões de transporte ideais, baseadas em dados, fora do armazém”.

Como avançar

A demanda pela visibilidade do transporte só irá aumentar nos meses e anos futuros, à medida que as expectativas relacionadas ao atendimento ao cliente (como "no prazo e completo") ficarem mais elevadas. Entretanto, o caminho para o sucesso continuará sendo o mesmo: ver o que você não conseguia ver antes, observar (ou analisar) o que você está vendo para descobrir oportunidades de melhoria e, em seguida, agir (tomar atitudes) para implementar essas melhorias e gerar valor.

Adrián González é um assessor confiável e analista líder no setor com mais de 20 anos de experiência em pesquisa sobre gestão de transporte, terceirização da logística e outros tópicos de supply chain e logística. É fundador e presidente da Adelante SCM, uma comunidade não hierárquica de aprendizagem, networking e pesquisa para profissionais de supply chain e logística. O Talking Logistics — um blog e programa de entrevistas online com a participação de líderes do pensamento e pessoas que são notícia no setor de supply chain e logística — é um dos serviços da Adelante.

Cumpra sua promessa aos clients